Há anos numa noite qualquer eu pra variar tive um de meus ataques típicos de uma Brat e devido à isso meu Dono Hrodrich Kurak me amarrou com o tornozelo ao pé da cama onde eu passaria minha noite, me deu lápis e papel e me fez escrever um manual para q eu o lesse todos os dias até que me convencesse do q ele esperava de mim.

Detalhe interessante foi que para q eu não pudesse xingar nada nem ninguém ele me enfiou uma baita gag na boca onde eu babava, chorava e escrevia.

Esse texto correu por anos na internet como autoria de outras 500 pessoas mas várias pessoas me disseram que não era justo eu não ter os créditos por ele.

Então o posto aqui à vocês. Espero que gostem !
Saudações SM à todos !
Anja Suri

  1. A escrava deve ter como objetivo máximo o bem-estar e a satisfação dos desejos e interesses do Dono, sejam eles de qualquer natureza. Em hipótese alguma a escrava colocará os seus interesses particulares à frente dos interesses do Dono, embora em muitas situações os interesses de ambos possam ser coincidentes;
  2. A escrava deve ser para o seu Dono fonte inesgotável de prazer, alegria e descontração. Deve por isso cultivar a sua disposição, alegria e serenidade. Deve procurar aprender e manter-se atualizada. Deve também cuidar de si de forma a ter a melhor aparência possível, e manter uma boa saúde física e mental;
  3. A escrava deve ter para o seu Dono totais disponibilidades físicas, mentais e emocionais. Deve arrumar a sua vida de maneira a poder responder de uma forma imediata e entusiasta a qualquer solicitação do Dono. Na Sua presença, todo o resto é secundário, melhor ainda, esquecido. Na ausência do Dono, manterá uma postura irrepreensível, lembrando-se sempre a quem pertence;
  4. A escrava deve seguir o seu Dono com devoção, onde quer que vá e o que quer que faça. Sempre ½ passo atrás, atenta e cúmplice.
    Jamais a escrava deverá olhar seu Dono diretamente nos olhos, salvo que ele a ordene fazer isso;
  5. A escrava deve empenhar-se em conhecer profundamente o Dono, os seus gostos e preferências. Saber o que lhe agrada em cada momento e proporcionar-lhe tais feitos. Deve também erradicar da sua vida qualquer fator de desagrado;
  6. A escrava deve ser leve, delicada, feminina. Deve aprender a suavidade dos gestos, a humildade do olhar e saber comportar-se em todos os momentos com graça e sensualidade;
  7. A escrava é também objeto de prazer sexual do Dono. Como tal deverá estar sempre pronta a ser usada, em qualquer circunstância ou lugar. Deve focar-se na satisfação dos prazeres do Dono como objetivo único. A sua própria satisfação, se a houver, será sempre opção do Dono e será sempre tomada como uma dádiva;
  8. Como propriedade do Dono, a escrava deve esperar ser usada, abusada, esquecida, desejada, preterida, acarinhada, ignorada, escolhida, desprezada, sem que nada disso interfira na sua total entrega e dedicação ao Dono. Deve esperar ser castigada se o merecer, mas também se não o merecer ou compreender de imediato. E saber aceitar, oferecendo sem hesitação o seu corpo ao castigo;
  9. A escrava deve ter tanto de reservada e discreta como de devassa, obscena, lasciva, ser um anjo e uma puta. E saber passar de um estado ao outro a um gesto ou olhar do Dono;
  10. Por fim, a escrava deve ambicionar ser um prolongamento do Dono, mover-se ao Seu ritmo e ao Seu gosto, ser a Sua sombra e o Seu reflexo.