Capítulo I – A inscrição

Alexia por sua opção havia se tornado escrava de seu marido Bernardo fazia tudo que ele ordenasse, era sempre castigada, por faltas cometidas e havia se tornado uma esposa submissa.

Um dia os dois liam uma revista masculina e numa manchete que dizia: ESCOLA DE S & M (Adestramento de escravas), e resolveram mandar uma correspondência para escola, sua correspondência foi respondida, e Bernardo resolveu inscrever Alexia nesta escola, ficou estipulado que o casal deveria se dirigir a uma cidade no interior de ônibus, e seriam apanhados na rodoviária, ao chegarem na cidade aguardaram com ansiedade, logo chegou um homem alto e bem vestido e perguntou se eles eram o casal que havia se correspondido, sim respondeu Bernardo, o homem então gentil com o casal pediu que os dois o acompanhassem ate os estacionamentos da rodoviária, chagando lá embarcaram numa VAN, o homem solicitou que Bernardo fosse no banco da frente da VAN, e que Alexia fosse na parte traseira da Van, lá estava uma mulher vestida com uma mini-saia de couro, salto alto, e uma blusa bem colada ao corpo, ela foi apresentada, era uma mulher com uns 21 anos e seu nome era Ana Paula, e pertencia a escola, foi. Explicando que o marido por ser dominador participaria do adestramento, e Alexia por ser escrava seria aluna em todos ensinamentos, e explicou que Ana Paula iria abrir uma mala que havia na parte de trás, e lá teria roupas e assessórios para Alexia usar.

Alexia teve que tirar toda a roupa, e vestir o que Ana Paula lhe apresentava. Em primeiro ela colocou uma tanga fio dental preta, depois um espartilho preto que na parte dos seios deixava os bicos dos seios empinados e à mostra, uma meia 7/8 preta, sapatos de salto alto tipo agulha preto. Foi colocado em seus pulsos uma pulseira de couro com argolas e em seu pescoço uma coleira, também com argola para guia, Bernardo voltado para trás assistia tudo excitado. Alexia também se excitou só imaginando o que iria acontecer.

Depois de vestida como lhe haviam mandado, a Van parou e foi solicitado que Bernardo fosse para o banco de trás, e aí os dois foram vendados, para manter o sigilo da localização da escola, durante o resto do percurso, o homem que dirigia a Van foi explicando o que iria acontecer, disse que Bernardo por ser dominador iria entrar na escola como convidado e que poderia participar ou assistir qualquer atividade da escola. E que Alexia como havia sido matriculada como aluna seria adestrada para se tornar uma ótima escrava submissa, e perguntou se os dois aceitavam tudo o que viria por vir. Os dois concordaram e esperaram vendados por uns 30 minutos, quando o homem disse que os dois poderiam tirar as vendas dos olhos. Ao olhar pela janela da Van os dois olharam a porteira de uma fazenda que dizia ESCOLA S&M. Logo após a porteira que tinha um portão eletrônico, a Van andou por mais um quilometro, e eles avistaram a casa. Era uma mansão, com uma piscina ao lado e aos fundos várias outras edificações. Como era ainda cedo da manhã, não havia ninguém ao lado de fora da casa. A Van parou na frente da casa, o homem mandou que Bernardo desce-se e se dirigisse até a porta da casa. Entraram na mansão, e lá os dois foram recebidos por uma camareira na porta. Ela estava vestida com roupas a caráter e um sapato salto alto, uma mulher morena linda, e desde já demonstrava sua submissão. Ela pediu que os dois sentassem numa poltrona, e que aguardassem que logo seriam recepcionados. Alexia começou a admirar o local, havia colunas no meio da sala, e delas saiam argolas de ferros, nas paredes quadros sobre o tema S&M, Alexia já ficou toda curiosa.
Logo desceu as escadas um homem bem vestido, e se apresentou como Domador e seria o anfitrião principal da casa.

Capitulo II – Primeiras Lições

O Homem conhecido como Domador cumprimentou os dois e disse que Bernardo poderia participar ou apenas assistir as aulas, e Alexia seria levada para um local onde seria preparada para os ensinamentos. Ele se aproximou de Alexia, e analisou seu corpo e passando seu chicote de leve pelo seu corpo, disse que Bernardo era um homem de sorte por ter adquirido aquela bela espécie. Alexia dentro de sua submissão só baixou a cabeça, mas estava louca para olhar bem para aquele homem, que só no falar já deixava ela excitada. Ele colocou uma guia de corrente na coleira de Alexia e chamou uma das serviçais da casa. Logo veio uma mulata linda e dona de um belo corpo, vestida com salto alto, meias 7/8, e um maiô de couro. Tinha também coleira no pescoço e pulseiras de couro nos pulsos. Ela veio de cabeça baixa, e ele ordenou que ela conduzisse Alexia para o alojamento de escravas. A serviçal pegou a guia da coleira e conduziu Alexia por um corredor, com luzes escuras e várias portas. Alexia curiosa andava olhando tudo, sua condutora não falava nada, tentou conversar com ela, mas ela apenas a conduzia. Notando seu silencio Alexia ficou quieta, notou que no corredor havia quadros sobre S&M na parede, e em alguns pontos argolas e outros instrumentos pendurados na parede.
Ao chegar no final do corredor, entrou em um salão com várias portas estilo prisão, e em cada uma havia um nome. Notou que numa delas estava o seu. Sua condutora levou-a até seu alojamento e disse que aguardasse ali, e ao entrar em seu alojamento a condutora retirou a guia da coleira, pendurou-a na parede se retirou, trancando a porta com cadeado. Alexia começou a analisar o local, era um quarto de tamanho médio, com um cama de ferro, tapetes no chão e um banheiro ao fundo, apesar de ser tipo uma prisão, era um lugar confortável. Alexia ali ficou durante uns 15 minutos, até que ouviu alguma coisa.

Um homem moreno forte acompanhando de duas serviçais, uma delas a mesma que havia conduzido Alexia e uma outra também linda com cabelos ruivos, ordenou que as serviçais abrissem todas as portas, e mandou que todas as alunas saíssem de seus alojamentos. Além de Alexia haviam mais cinco alunas, todas vestidas iguais a ela, e foram colocadas todas juntas. Logo o homem chamou duas das alunas, Alexia e Fabi, uma loira com uns 28 anos, e citou:

– Alexia e Fabi transgrediram as regras da escola, tentando falar quando não era permitido, e para mostrar para vocês a disciplina da escola, serão punidas com dez chicotadas cada uma.

Então ele ordenou que as duas fossem amarradas à uma coluna no meio do salão, deu um chicote de tiras de couro para cada uma das serviçais, e ordenou que lhe aplicassem o castigo. Alexia atada à coluna sentiu arder sua bunda logo na primeira chicotada, e depois dela vieram mais nove, todas doloridas. Notou também que Fabi gritava mais que ela de dor, mas apesar da dor Alexia sentiu algum prazer com aquela punição.

Logo depois foram soltas e conduzidas para primeira aula, e ao chegarem lá foram deixadas em um salão amplo, com vários instrumentos de tortura, e foram autorizadas a se conhecerem por uns 15 minutos. Alexia então conheceu suas colegas, descobriu que todas foram trazidas por seus mestres, que eram maridos, namorados e amantes. Conheceu uma por uma, Fabi sua parceira de castigos, era uma moça loira com 28 anos, e havia sido trazida pelo seu amante, Zulma uma morena bem gostosa de 27 anos, tinha sido trazida pelo seu marido, Margot uma mulher bonita de 42 anos, falou que era divorciada e tinha sido trazida pelo seu namorado, Lú uma mulher de cabelos claros e olhos verdes, tinha 30 anos e tinha sido trazida pelo seu novo namorado e por ultimo Ro, uma morena de 37 anos que havia sido trazida pelo seu amante.

Logo terminou o tempo para conhecimentos, e entrou na sala o anfitrião Domador. Ele explicou que elas teriam aulas das mais variadas, e que deveriam ser obedientes para aprender todos os ensinamentos da casa, e que seus companheiros poderiam ou não participar das seções(aulas).

Capitulo III – Exposição

Logo começou falando de submissão, sadomasoquismo e outros temas, explicou que as serviçais da casa eram escravas que aceitaram prestar serviços à escola e que fora dos finais de semana viviam suas vidas normais, e que se alguma delas desejassem se tornar serviçais da casa poderiam optar, não sendo obrigatoriamente todos os finais de semana. Mandou que todas olhassem todos os instrumentos apresentados na sala, e que logo seriam apresentadas para os membros da ordem S&M, que eram os que mantinham a escola. Logo elas foram enfileiradas e conduzidas até o salão principal.

Ao chegar no salão lá estavam alguns homens bem trajados, e outros mais atrás, e Alexia notou que ali no meio deles estava Bernardo. Elas subiram uma espécie de palco, e foram apresentadas uma a uma. Logo subiu ao palco um homem bem trajado e portando um chicote com tiras de couro, ele então analisou uma por uma, e Alexia sentiu calafrios quando ele passou seu chicote por todo seu corpo e lhe obrigou a beijar o chicote, como forma de submissão.

Ela notou que todos os homens lhe admiravam, bem como também admiravam as outras escravas.

Logo foram todas colocadas de bruços uma ao lado da outra, num cavalete, e o homem pegando o chicote começou a chicotear as escravas.

Logo os participantes foram convidados a subir ao palco e apreciar, bem como castigar as escravas. Alexia notou que vários passavam a mão em seu corpo, alguns davam algumas palmadas e chicotadas em sua bunda, e notou que Bernardo também analisava as outras escravas, e apesar de estar amarrada viu quando ele deu algumas palmadas na escrava Fabi.

Sentiu um pouco de ciúmes, mas como escrava não deveria se manifestar. Terminado as apresentações, castigos e análises, os homens saíram do palco, e elas foram conduzidas para aulas de castigos. De volta à sala dos aparelhos, elas experimentaram todos equipamentos, como chicotes, palmatórias, prendedor de seios, Alexia foi pendurada por roldanas, de maneira que seus braços e pernas fossem erguidas. Nisto o professor de aulas de tortura lhe deu chicotadas na sua bunda.

Alexia estava sentindo na realidade aquilo que sempre havia sonhado, e as aulas haviam apenas começado, muito mais estava por vir.

Capitulo IV – Castigos e Almoço

Sentia sua carne arder, pelos golpes das chicotadas. Notou que seu carrasco, aos poucos acariciava sua bunda e, ao passar as mãos por entre suas pernas, lhe penetrava com seus dedos. Já notando sua excitação, pois já estava molhadinha, gemia, e depois assistiu outras alunas experimentando aparelhos novos.

Viu quando Lu amarrada num cavalete sofreu um spanking com palmatória de couro, e Zulma amarrada em X sofrer com prendedores de seios e velas.

Assim todas as alunas experimentaram os aparelhos. Logo após esta aula misturada com seção, elas foram levadas a uma sala perto da cozinha. La foram vestidas com roupas de empregadinhas, onde apesar do avental na frente, ficavam com a bunda à mostra, coberta apenas com uma tanga fio dental.

Foram comandadas pelas serviçais da casa que explicaram que deveriam conduzir os alimentos e bebidas em bandejas, mas só poderiam servir quando lhe fosse ordenado.

Alexia e as outras alunas seguiram para uma imensa sala de jantar, onde os homens da ordem estavam sentados para o almoço. Ao se aproximar, sentiu calafrios ao ouvir as conversas entre eles, os assuntos variavam sobre quem iria ganhar os jogos, sobre negociações e empréstimo de escravas, sobre as novas aulas. Ficou curiosa para saber qual seriam tais jogos, e notou que Bernardo também conversava interessado sobre o assunto.

Cada vez que chegava perto para servir sentia que estes homens lhe comiam com os olhos, e alguns até se atreviam a beliscar suas nádegas.
Foi quando Ro ao ser beliscada, deixou cair um copo de vinho sobre um dos integrantes, logo todos se levantaram e seu dono lhe pegou pelo cabelo e lhe amarrou à uma coluna com argolas na sala. Seu mestre lhe tirou as roupas, entregou o chicote ao homem ao qual ela havia derramado a bebida e disse:

– Como punição levara 15 chicotadas, e devera contar cada uma delas. Todos ali assistiram Ro ser severamente punida e ter que contar cada chicotada, sua bunda ficou vermelha pelas chicotadas, ela chorava, gemia, mas notava em seu interior um prazer por aquele castigo.

Logo após o almoço, os mestres se retiraram, e as alunas foram para cozinha onde almoçaram e lavaram toda a louça. Teriam uma hora para descanso em suas celas, e durante o almoço e lavagem de louça foram liberadas para conversarem. Lá se conheceram melhor, suas fantasias e castigos preferidos. Foram para o descanso, pois a tarde teriam aula de Ponygirl.

Capitulo V – Ponygirl

Ao chegar no local Alexia notou vários artigos de montaria na sala, haviam chicotes, celas, arreios e na sala havia uma porta que dava para um pátio onde tinha algumas bigas (charretes). Logo o Domador mandou que as alunas colocassem arreios na boca, e um vibrador com rabo de cavalo na ponta foi colocado em seus ânus. Explicou que havia duas maneiras de fazer um Ponygirl, elas de quatro com a cela nas costas para serem montadas ou puxando uma biga.

Em primeiro lugar começou o adestramento, segurando as rédeas e mandando que elas andassem numa mesma cadencia, levantando bem as pernas. Com o chicote ele controlava os passos delas, ele e mais um adestrador ficavam no meio do pátio e ordenava que uma a uma andassem em volta deles numa mesma cadência.

Aquela que destoava era rapidamente punida, pois ele dava com o rebenque em suas pernas. Ele treinava elas para que andassem com a cabeça bem levantada, e as mãos algemadas atrás do corpo. Após um treinamento exaustivo, Alexia, Fabi e Margot foram atreladas cada a uma biga e com três dos participantes em cima foram obrigadas a puxar pôr todo o pátio. Alexia ficou completamente excitada quando Domador puxou as rédeas e lhe deu algumas chicotadas na bunda, e galopou pelo pátio como uma autêntica Ponygirl.

Viu que seu mestre Bernardo assistia a tudo maravilhado. Logo após Zulma, Ro e Lu foram colocadas de quatro com uma cela nas costas, e aí Alexia viu seu Amo montando em Lu. Notou que ele puxava os arreios e chicoteava sua bunda. Outro montava em Zulma, todas agora eram poneyzinhos de seus mestres.

Logo após as que puxavam as bigas passaram a usar a cela nas costas e serem montadas e as que eram montadas puxavam bigas. Experimentaram ali naquela tarde todas formas de adestramento relacionados com Ponygirl, depois foram levadas a um estábulo onde ficaram amarradas de quatro só com uma vasilha de água, para beber.

A tarde estava por terminar, mas as alunas sabiam que haveria muito mais, pois tinham uma noite pela frente e um Domingo inteiro, para serem diplomadas escravas.

Capitulo VI – Início da noite

O início da noite estava por chegar, e os membros da Escola foram recepcionados num jardim de verão, fechado por vidros, e repleto de bancos de praças. Ao fundo uma mesa com salgados, doces e bebidas, seria uma recepção, onde conversariam sobre assuntos diversos, mas principalmente sobre BDSM.

Os homens todos bem trajados, e sendo atendidos pelas serviçais da casa, mas logo as alunas também foram trazidas para atenderem, afinal tinham que praticar o que aprenderam. Todas vestidas de salto alto, uma lingerie, coleira no pescoço, e serviam salgados e bebidas, sempre de cabeça baixa.

Apesar de estarem fazendo tudo como havia ordenado, elas podiam mesmo que sem querer ouvir as conversas, e algumas delas excitantes.

Alexia ouviu quando um homem alto e forte falou ao seu amado mestre, que achava ela uma peça muito bonita e estava interessado em realizarem uma troca ou empréstimo de escravas. Aquilo perturbou um pouco Alexia, mas também a excitou.

Logo algumas idéias foram sendo colocadas em prática: num canto do jardim dois homens sentados no banco conversavam e suas escravas Ro e Lu, à frente de quatro como se fossem mesinhas de salgadinhos. Eles conversando em o que fazer com as escravas, e as aulas que viriam mais adiante, e elas ali de quatro com a bandeja nas costas, sem poder se mover.

O máximo que lhes era permitido era o seus mestres jogarem algum salgadinho no chão e lhe autorizarem a comer. Noutro canto Zulma, obedecendo as ordens de seu mestre, beija e venera os pés de outro convidado, ficando ali naquela posição enquanto eles conversam.

Logo terminou e os membros se retiraram, e sobrou para as alunas limparem tudo. Sob supervisão, tinham que limpar tudo, e logo após a limpeza foram conduzidas para seus alojamentos, pois a noite seria de uma festa que inclusive viriam mais convidados, elas tinham que se preparar.

Capitulo VII – A festa

Chegou a noite e a tão esperada festa. O salão todo enfeitado, e Alexia notou pelo movimento que vários veículos chegavam no local. Só que as alunas permaneciam em seus aposentos (celas). Só lhes foi ordenado que vestissem, uma lingerie, salto alto e é claro, a coleira. Logo uma das serviçais da casa chegou para buscar as alunas, e todas na coleira foram conduzidas e levadas para perto do palco.

Foram colocadas todas de joelhos, e aguardando todos os eventos, deram uma leve espiada e notaram que a casa estava cheia de homens e mulheres, todos bem vestidos. Eram colaboradores que patrocinavam a escola.

Em um primeiro momento os próprios convidados deram um show. Algumas das mulheres que estavam ali eram ex–alunas que vieram com seus mestres, e outras eram rainhas interessadas em escravas. Portanto alguns mestres subiram ao palco e demonstraram castigos em suas escravas ali mesmo.

Alexia apesar de ajoelhada podia ver tudo, viu quando um mestre subiu com duas escravas, amarrou as duas em argolas na parede, e castigou sem piedade. Aquilo excitou ela e as outras alunas, que só podiam assistir, não podiam falar.

Ele era um Senhor moreno alto, que possuía duas escravas, uma que era sua esposa, muito linda de pele bem branca, que se avermelhava a cada chicotada, e outra uma mulata estilo mulherão, que gemia alto a cada golpe, notava-se que seu gemido era uma mistura de dor e prazer.

Outros subiram ao palco também, inclusive uma Rainha como sua escrava.

Logo Domador, o anfitrião da casa, subiu para apresentar ao pessoal sua nova escrava, uma loira linda. Falou ao pessoal que esta sua nova escrava não iria participar das seções, pois tinha muito que aprender, iria ser aluna na próxima turma, ela ainda precisava tomar algumas lições de comportamento e devoção ao seu mestre e, brincou com a platéia, dizendo que tinha muito trabalho pela frente.

Logo chegou a vez das alunas, e ai veio a surpresa: elas seriam leiloadas, quem desse o maior lance usaria elas pelo resto da noite. Aquilo excitou Alexia, era o sonho da vida dela ser leiloada, desejada. Elas subiram todas ao palco, foram colocadas em pé, de cabeça baixa, para que os convidados subissem ao palco e verificassem o material. Muito excitante aquilo tudo, elas quietas e os mestres e rainhas comendo elas com os olhos.

Logo veio o primeiro arremate: Lu foi vendida a um senhor que só abanava pra ela e mostrava um rebenque de equitação. O comprador logo pegou ela e levou para o local onde teria o direito de usufruir o material adquirido.

E assim foram vendidas uma a uma, e quando chegou a vez de Alexia, ela esperava já molhadinha pôr aquele momento, começaram os lances, a cada pessoa que dava um lance ela foi sendo invadida por um prazer, aquilo estava mexendo com ela, ela tinha vontade de gritar de tanto prazer, mas não podia, afinal como aluna aprendeu que tinha que se comportar, eis que veio o lance final, e para surpresa dela, um casal de dominadores, ele um mestre e ela uma Rainha.

Ela mesmo fez questão de ir buscar Alexia no palco pela coleira, e desde já ordenou que Alexia viesse com ela de quatro como uma cadela. Ao passar pelo publico em direção aos quartos, o Mestre mostrou uma maleta cheia de cordas, chicotes, algemas, e outros apetrechos de sadomasoquismo, e os dois entraram com ela no quarto. Começaram aquela que seria uma das noites mais inesquecíveis da vida dela.

Capitulo VIII – A noite continua

Ao entrar no quarto logo foi ordenado que permanecesse ali de joelhos, no meio do quarto. Logo a Dominadora se aproximou de Alexia e ordenou que ela beijasse suas botas. Lambia e beijava aquela bota e sentia que a rainha acariciava seus cabelos.

Logo ela ouviu os passos do Mestre que empunhando um chicote, chegou perto, e também ordenou que lhe beijasse os pés. Ela ficou ali totalmente submissa à disposição do casal de sádicos dominadores. Logo ela ouviu o som do chicote que estalou em sua bunda, sentiu queimar seu corpo, de dor e prazer.

Ajoelhada, foi colocado seus braços para trás e seus pulsos algemados. A Rainha logo tratou de pegar o jogo de cordas e começou a amarrar Alexia passando corda por todo seu corpo. Ficou numa posição incomoda, também foi lhe colocado um plug anal que de acordo com as amarras, quanto mais ela se mexia mais prazer lhe dava.

Foi também colocado uma mordaça, e as vezes para completar ela levava algumas chicotadas, permaneceu por ali algum tempo, a Rainha lhe puxava os cabelos e lhe dava tapas no rosto, e o Dominador torturava sua bunda e lábios vaginais com chicotadas, prendedores, velas e as vezes um fisting.

Alexia estava ali totalmente à disposição sendo usada , logo lhe tiraram a mordaça, e foi ordenado que chupasse o pau de seu mestre. Ela lambia seu saco e chupava seu pau, enquanto sua algoz lhe aplicava palmadas em sua bunda, e logo ele retirou o plug anal e lhe penetrou com força num coito anal violento.

Puxava seu cabelo, dava-lhe palmadas e mordia seu pescoço, enquanto isto sua rainha lhe xingava e lhe humilhava. Alexia não mais se continha, não tinha mais como segurar seu orgasmo, e seu mestre também. Lhe ordenou que abrisse a boca, pois ele iria gozar na sua cara. O gozo foi intenso, seu rosto estava cheio de porra, que corria seu pescoço, e peitos.

Depois que Alexia foi desamarrada, foi lhe autorizado a tomar um banho rápido e retornar rapidamente. Nua ela retornou ajoelhousse aos pés do casal, que com suas botas pisavam em seu rosto, ordenando que lambesse as botas dos dois.

Ordenaram que trouxesse umas bebidas do frigobar, ela trouxe e os dois saciaram suas sede, e despejaram um pouco num pote no chão ordenando que Alexia lambesse feito uma cadelinha. Depois foi colocada de quatro, para que a Rainha montasse nela ensaiando uma pratica de ponygirl.

Colocaram arreios em sua boca, e a Rainha com um chicotinho eqüestre lhe montou por todo o quarto. Ele só assistia ao espetáculo, e a noite continuou, sendo Alexia penetrada e castigada de todas maneiras. Depois de um tempo foi autorizado que dormisse aos pés da cama.

Autor:  DomadorRS